sábado, 15 de março de 2014

Malleus Maleficarum - O Martelo das Bruxas

Hoje vou escrever sobre um livro que, para dizer a palavra certa, acho interessante para quem gosta de teologia como eu, o Malleus Maleficarum, ou Martelo das Bruxas e Manual de Caça às Bruxas, como é conhecido no Brasil. O livro teve várias edições, com várias capas diferentes, e foi escrito com um único objetivo: transformar as mulheres em seguidoras e adoradoras do demônio cristão.

Comprei o meu no Sebo do Messias (que é ótimo para se encontrar raridades), e fiquei surpresa sobre como os autores descrevem as mulheres, sobre a misoginia que havia ali. Escrito em 1487 pelos inquisidores Henrick Kramer e Jacobus Sprenger, o livro foi muito divulgado na Europa quando lançado. Na época da Inquisição, todas as mulheres pagãs eram consideradas bruxas e, consequentemente, ligadas ao demônio. O livro influenciou muitos líderes da Igreja e até mesmo pessoas comuns, levando-as a prender e torturar qualquer mulher com indícios de bruxaria, como o culto e adoração a outros deuses que não fossem os cristãos.

O conteúdo do livro é surpreendente pelo fato das narrativas serem totalmente sobre as atitudes das mulheres, pois QUALQUER coisa que fizessem era sinal de bruxaria. Era obrigação dos "homens de Deus" capturá-las para que morressem nas fogueiras. A primeira parte do livro trata-se de como os juízes inquisidores podiam reconhecer sinais de bruxaria, além de métodos para tortura, até que confessassem o suposto "crime". A segunda parte é sobre todos os males que as bruxas causavam na sociedade, deturpando a religião católica e a imagem de Deus e de como reconhecê-las e a terceira e ultima é sobre como julgá-las. O livro também conta com gravuras, muitas delas relacionadas a mulheres abraçando o suposto demônio, além de retratarem os sabás como forma de encontrá-lo.

O que me chocou foram os ensinamentos dos inquisidores, eles passam a imagem de que realmente sabem do que estão falando, e imagino que naquela época quem lia era facilmente influenciado. As bruxas eram culpadas de doenças, de crianças que morriam no parto (porque segundo o livro, elas ofereciam o bebê ao diabo) de transformar homens em animais e de copular com íncubus. O desrespeito por outras religiões era tão grande que muitas mulheres foram obrigadas a fugir, a se converter ou praticar seus ritos escondido.



Imaginem quantas mulheres e gatos pretos (eles queimavam os gatos junto, achando que era a bruxa transformada) foram queimados injustamente? Existe uma teoria de que todas as que morreram na fogueira estão reencarnando agora, por isso o número de nascimentos de meninas é maior se comparado ao de meninos.

O livro é uma viagem ao passado, e quando o li percebi como eram difíceis aqueles tempos, como era difícil você viver sem liberdade para expor suas crenças, com medo de inquisidores te pararem e te torturarem até você contar qualquer mentira para que acabassem com a tortura. Sinceramente, o livro me deixou horrorizada porque, como homens que se diziam tão tementes à Deus, tão católicos, praticavam tais atos?!

Esse é o meu (como possui muitas edições, a capa pode mudar):



Indico esse livro para quem quer saber mais sobre como era a Inquisição na Idade Média e para quem gosta de história e teologia :) Vale a pena a leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário